Caso não consiga ler este email, por favor clique aqui

Usuport nº 314   
 
16 de Out de 2017  

Bahia vai mal em ranking de competitividade

Foi divulgada a nova edição do Ranking de Competividade dos Estados 2017, realizado pelo Centro de Liderança Pública, em parceria com a Tendências Consultoria e a Economist Intelligence Group. O estudo analisa a capacidade competitiva de todos os estados brasileiros e o Distrito Federal em 66 indicadores, agrupados em 10 pilares.A Bahia, que já ocupou o 14º lugar no ranking em 2015, despencou para a 20ª em 2016, mantendo a mesma posição este ano.  O Ranking é um sistema de avaliação da administração pública e da população, que também pode avaliar a gestão do seu estado. Segundo a publicação, São Paulo segue na primeira colocação, seguido de Santa Catarina que subiu da 3ª para a 2ª colocação e o Paraná que caiu da 2ª para a 3ª posição em relação ao ano anterior. Paraíba e Ceará são os representantes do Nordeste mais bem colocados, nas 10ª e 11ª posições. Confira o estudo na íntegra clicando aqui.

 
  Interessados na Norte-Sul tentam destravar Fiol  
 

Conforme matéria publicada no jornal Valor, grupos interessados no leilão da Ferrovia Norte-Sul, marcado para fevereiro de 2018, buscam junto ao governo uma saída para a conclusão das obras e a concessão da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), que liga a Bahia até o Tocantins, conectando as duas malhas. A ideia, que tem apoio de técnicos do governo, é incluir a qualificação do traçado original da Fiol no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) já no próximo ano. A Fiol foi concebida para ir de Ilhéus, na Bahia, a Figueirópolis, em Tocantins, mas apenas o trecho entre Ilhéus e Caetité (BA) - com 537 quilômetros e 70,03% de obras concluídas - está qualificado no PPI para ser licitado. A previsão é que o leilão ocorra no segundo semestre de 2018. Há também obras no trecho de Caetité a Barreiras (BA) - mas sem perspectiva de transferência da exploração à iniciativa privada.

 
  Usuários questionam taxa de escaneamento nos portos  
 

Segundo noticiado pelo jornal Estado de São Paulo, por meio da Confederação Nacional da Indústria (CNI), 44 associações setoriais de indústria e do agronegócio e federações estaduais entraram com um processo na Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), para pedir a suspensão imediata da cobrança de escaneamento de contêineres nos portos brasileiros, que consideram ser abusiva e ilegal. A fiscalização aduaneira, dizem os importadores e exportadores, é uma responsabilidade inerente à rotina dos terminais portuários. Paralelamente, os usuários dizem que já pagam por uma “cesta de serviços” para movimentar seus contêineres e cargas. Muitos portos estão escaneando 100% dos contêineres, quando a lei determina que se faça um gerenciamento do risco. A CNI declarou que há uma enorme disparidade nos preços praticados pelos portos brasileiros, com valores oscilando entre R$ 39,28 e R$ 1.032,00. A Antaq declarou que “está analisando o assunto e deve deliberar sobre o mesmo em breve”.

 
  Liminar determina que Antaq julgue ampliação de terminal portuário  
 

Uma liminar da Justiça do Distrito Federal, expedida dia 5 de outubro, determinou que seja pautado e julgado no prazo de 30 dias, o processo que tramita na Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) envolvendo o terminal de uso privado (TUP) do grupo Chibatão, em Manaus (AM). A defesa alega que o trâmite sobre ampliação do terminal da Chibatão Navegação e Comércio, que inclui pedido de alteração do perfil de carga nele movimentado, foi retirado da pauta pela diretoria da Antaq diversas vezes, apesar de iniciado há aproximadamente um ano e meio na agência e já instruído há mais de quatro meses.

 
  Antaq e Marinha firmam acordo de cooperação técnica  
 

A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e a Marinha do Brasil assinaram acordo de cooperação técnica para execução de atividades conjuntas em prol do transporte e da segurança do tráfego aquaviários. Pelo acordo, as duas instituições deverão estimular e implementar apoio técnico-gerencial e logístico na fiscalização do funcionamento e da prestação dos serviços das empresas de navegação interior, cabotagem, longo curso, apoio marítimo e portuário, bem como no controle e na interdição das embarcações empregadas nas navegações reguladas pela agência.

 
  Duplicação rodovia Ilhéus-Itabuna  
 

O governo do estado da Bahia assinou ordem de serviço para execução da obra de duplicação da BR-415 (Rodovia Jorge Amado), que liga Ilhéus a Itabuna (BA), e deve começar em 60 dias, com prazo de conclusão em dois anos. A rodovia tem 18 quilômetros e é uma importante rota para a economia da região - integrada ao porto de Malhado, em Ilhéus, por onde a produção do sul é levada para exportação -, e também para o turismo. A duplicação da rodovia entre as duas cidade é uma reivindicação da região há mais de duas décadas.

 
  J.Macedo investe no Porto de Salvador  
 

Com unidade fabril em Salvador (Bahia), a J. Macêdo é líder nos segmentos de farinha de trigo doméstica e de mistura para bolos, e todo o trigo para as suas operações chega pelo Porto de Salvador. Este mês a empresa inaugura um novo sistema de transporte do trigo, que irá duplicar a capacidade atual de retirada de grãos dos navios, passando de 150 toneladas/hora para 300 toneladas/hora. As obras de modernização do terminal portuário, iniciadas em março, com investimento de mais de R$ 27 milhões, vão garantir ainda mais segurança, eficiência e eliminação das partículas em suspensão, a partir do sistema de aspiração e recolhimento incluso no projeto. No Nordeste, a J.Macêdo tem cerca de R$ 350 milhões de investimentos em andamento,  alocados na modernização de uma fábrica de biscoitos, de moinhos e de instalações portuárias. A Bahia é o segundo mercado, depois de São Paulo.

 
 

 

 
Avenida da França, 164 - s/ 309, 40010-000 - Salvador - Bahia   Telefax:(71) 3241-7337 usuport@usuport.org.br
www.usuport.org.br
Não responda este e-mail. Qualquer dúvida entre em contato conosco através de nosso website.